Terça-feira, 22 de setembro de 2020
GOIÂNIA-GO
{{tempo.temperatura}}°

Economia

Indústria goiana cresce 5,4% em junho e fica em 1º lugar no País, aponta IBGE

Postado em: 11-08-2020 às 13h02
Das 15 unidades federativas avaliadas, apenas três apresentaram resultados positivos| Foto: Reprodução/ Cristiano Borges/ Governadoria

Eduardo Marques*

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta terça-feira (11) Pesquisa Industrial Mensal (PIM) Regional. De acordo com o levantamento, setor industrial do Estado teve crescimento de 5,4% no último mês de junho comparado com o mesmo período de 2019.

Esse percentual coloca Goiás na primeira posição entre os Estados pesquisados pelo IBGE. Das 15 unidades federativas avaliadas, apenas três apresentaram resultados positivos – os outros dois são Pernambuco (2,8%) e Mato Grosso (1,6%). No cenário nacional, os números não são bons. Em junho de 2020, a indústria brasileira sofreu queda de 9% tendo em vista os dados de junho do ano passado.

Além de driblar as dificuldades impostas pela pandemia da Covid-19 e continuar a se expandir levando em consideração os números de 2019, a indústria goiana, tem apresentado crescimento mês a mês em 2020, segundo informações da assessoria de imprensa da Governadoria. A pesquisa do IBGE também demonstrou que o setor cresceu 0,7% em junho em relação ao mês anterior; e 3% em maio, comparado ao desempenho de abril. 

O crescimento industrial deve vir acompanhado da geração de emprego e renda, sobretudo nas regiões mais vulneráveis do Estado. Dentro dessa política pública, o governador Ronaldo Caiado criou um programa de benefícios fiscais voltado à instalação de indústrias em municípios considerados prioritários, segundo o Índice Multidimensional de Carência das Famílias Goiás (IMCF). 

“Não posso ter, como governador, dois Estados, um com maior renda e outro com baixa renda e sem oportunidade de emprego. Precisamos igualar e tratar da mesma forma os 7,2 milhões de goianos”, destaca. O Norte e Nordeste goianos, além do Entorno do Distrito Federal, integram o projeto que oferece até 98% de incentivo fiscal.

Titular da Secretaria de Indústria, Comércio e Serviços (SIC), Adonídio Neto, avaliou os resultados e reafirmou que Goiás caminha em passos rápidos para ser o primeiro Estado a sair da crise provocada pela pandemia. “O Governo de Goiás tem foco nesse momento na recuperação das empresas, sobretudo as micro e pequenas; na geração de empregos e na regionalização do desenvolvimento. A atração de investimentos começa a mostrar resultados positivos”, diz o secretário. 

Goiás na pesquisa

Os números da indústria de Goiás também indicam resultado positivo de 2,2% na variação dos últimos doze meses, o que dá ao Estado a segunda colocação, atrás apenas do Rio de Janeiro (4,4%). O Pará também registrou variação positiva de 0,4% nesse período. Os demais estados tiveram índices negativos na pesquisa do IBGE. 

Já na pesquisa que avalia o acumulado do ano, de janeiro a junho, Goiás também ocupa a segunda posição com índice de 0,9%, ficando atrás apenas do Rio de Janeiro (2,3%). Os demais locais pesquisados, incluindo o Brasil), tiveram resultados negativos. 

Seja o primeiro a comentar

Fazer comentário

Acesse sua conta para comentar, é rápido e gratuito.

Inscreva-se na newsletter e receba

conteúdo exclusivo

Digite aqui o que deseja pesquisar