Sábado, 19 de outubro de 2019
GOIÂNIA-GO
{{tempo.temperatura}}°

Econômica

Importações de fertilizantes consomem quase US$ 30 bilhões entre 2010 e 2018

Postado em: 19-09-2019 às 19h20
Volumes importados avançaram 9,2% na mesma comparação, saindo de 13,479 milhões para quase 14,715 milhões de toneladas

A conta das importações de matérias primas para a produção de fertilizantes e adubos já deve superar largamente os US$ 30,0 bilhões nesta década, o que apenas vai reforçar o tamanho da dependência brasileira nesta área. Os gastos com rocha fosfática, cloreto de potássio e enxofre importados somaram US$ 29,596 bilhões entre 2010 e o ano passado, nas estatísticas apuradas pelo Sindicato Nacional da Indústria de Matérias Primas para Fertilizantes (Sinprifert), equivalente a quase toda a exportação realizada pelo setor mineral em 2018 – algo em torno de US$ 29,959 bilhões, dos quais perto de 68% vieram dos embarques de minério de ferro. “A dependência do setor de fertilizantes em relação a importações tem impacto direto na balança comercial brasileira e na geração de divisas”, constata Rinaldo Mancin, diretor de assuntos ambientais do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram).

No ano passado, considerando o mesmo grupo de matérias-primas, a alta nos preços do cloreto de potássio e do enxofre, onde a dependência é mais ampla, elevou os gastos com importações em pouco mais de 31%, de US$ 2,713 bilhões para US$ 3,556 bilhões, já incluindo as compras de rocha fosfática na conta. Os volumes importados avançaram 9,2% na mesma comparação, saindo de 13,479 milhões para quase 14,715 milhões de toneladas.

“O atual regime de ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre fertilizantes favorece a importação e desestimula a produção nacional. A falta de isonomia tributária é um dos principais entraves para o crescimento da produção nacional de fertilizantes”, reclama Bernardo Silva, diretor executivo doSinprifert. Nas estimativas de Mancin, a carga tributária total sobre fertilizantes produzidos no país varia em torno de 30%, “atingindo 41% no caso do potássio, enquanto a importação chega ao país sem impostos”.

Maior dependência

A partir de 2011, quando alcançou seu nível mais elevado em termos históricos, lembra Matheus Almeida, analista sênior do Rabobank, a produção de fertilizantes compostos tem recuado, saindo de 9,777 milhões para 8,169 milhões de toneladas no ano passado, numa queda de 16,4%, enquanto os volumes importados saltaram pouco mais de 40% no período, de 19,591 milhões para 27,496 milhões de toneladas. O consumo igualmente avançou, chegando a um recorde de 35,507 milhões de toneladas no ano passado, num avanço de praticamente 25% desde 2011. A participação das importações na demanda, medida pelo volume de fertilizantes entregues ao consumidor final, avançou de 62,3% em 2010 para 77,4% em 2018.

Balanço

·   Para este ano, estima Almeida, a produção tende a crescer modestamente para 8,188 milhões de toneladas, com importações acima de 27,3 milhões de toneladas e uma demanda ao redor de 36,0 milhões de toneladas, perto de 1,4% acima dos números de 2018, em novo recorde.

·   Dados ainda preliminares divulgados por consultorias especializadas indicam que as entregas deverão se situar entre 36,3 milhões e 36,7 milhões de toneladas, representando aumento entre 2,0% a 3,0%. Caso se confirmem as projeções para as compras externas, a dependência do mercado tende a se manter próxima de 75%.

·   O setor de fosfato apresenta perspectivas mais promissoras, conforme números do Ministério de Minas e Energia (MME), embora a produção de rocha fosfática tenha recuado nos últimos anos, baixando de quase 6,1 milhões em 2011 e 2012 para pouco menos de 5,1 milhões de toneladas em 2018, conforme dados da Associação Nacional para Difusão de Adubos (Anda), trabalhados pelo Sinprifert.

·   Mesmo em baixa, a produção responderia por 73% da demanda total, de acordo com dados oficiais. As reservas identificadas de fosfatosubiram fortemente entre 2015 e 2017, saltando de 315,0 milhões para 1,70 bilhão de toneladas, segundo o MME, o que colocaria o Brasil entre as quatro maiores reservas do mundo, à frente dos Estados Unidos.

·   Essa evolução sugere algum avanço da produção de rocha e, portanto, de fertilizantes fosfatados mais à frente. Por enquanto, considerando o produto final, a oferta doméstica cobre apenas 37% da demanda, mas alguns projetos, com destaque para o da Yara Fertilizantes, poderão ampliar essa participação.

·   Com reservas para os próximos 20 anos, o complexo mineral e industrial de Serra do Salitre, em Minas Gerais, tocado pela Yara, deverá atingir plena capacidade por volta de 2021, num investimento total próximo de R$ 2,6 bilhões, eterá capacidade para 1,2 milhão de toneladas de concentrado fosfático.

Em Catalão, a CMOC Internacional planeja investir US$ 308,0 milhões na construção de unidades de ácido fosfórico e ácido sulfúrico e na modernização da planta de concentração de fosfato. 

Seja o primeiro a comentar

Fazer comentário

Acesse sua conta para comentar, é rápido e gratuito.

Inscreva-se na newsletter e receba

conteúdo exclusivo

Digite aqui o que deseja pesquisar